Enoturismo atrai visitantes à Curitiba e redondezas

A Região Metropolitana de Curitiba reserva muitas surpresas para aproveitar um feriado ou mesmo curtir o fim de semana. Há vinícolas rústicas ou muito sofisticadas, passeios em plantações no estilo pague o que colher, em localidades com fácil deslocamento a partir do Guaíra Palace Hotel, tudo coroado pela boa comida dos restaurantes e cafés coloniais, regados às mais caras tradições trazidas pelos imigrantes que dão forma ao sotaque e aos costumes locais.

Cave Colinas de Pedra, em Piraquara. Na foto: Ari Portugal, proprietário da Cave.Piraquara, 30-04-19.Foto: Arnaldo Alves / ANPr.
Cerca de 50 mil turistas passeiam todos os anos por alguns dos municípios da Região Metropolitana de Curitiba, de acordo com dados de pesquisa realizada pelo Programa de Pós-Graduação em Turismo da Universidade Federal do Paraná. A maioria é atraída pelo enoturismo, essa combinação entre um bom passeio e a satisfação do desejo que mais move as pessoas nos momentos de lazer – a gastronomia. No caso, na forma de vinhos e espumantes.



A produção, tanto de uva como de vinho, é bastante pulverizada no Paraná, embora a maior parte da fruta usada na produção de vinhos venha do Rio Grande do Sul, o grande campeão brasileiro do setor. Mas, perto dos gaúchos, o Paraná ainda engatinha.

Confira no mapa algumas dicas de vinícolas em Curitiba e região metropolitana


Acesse aqui endereços para vinícolas em Curitiba e região metropolitana

Para se ter uma ideia, o Estado produziu 2,4 milhões de litros no ano passado, incluindo espumante, enquanto o Rio Grande do Sul chegou a quase 500 milhões de litros.

Mesmo com a importação da fruta gaúcha, o Paraná ocupa a quarta colocação na produção nacional de uvas, atrás do Rio Grande do Sul, São Paulo e Pernambuco. Aqui se produz, basicamente, variedades de uva fina, de mesa e, em menor escala, uvas rústicas.

Cave Colinas de Pedra, em Piraquara. Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

O destino da viticultura poderia ter sido outro no Paraná, não fosse a praga de solo conhecida como pérola-da-terra, que dizimou os vinhedos paranaenses na década de 1960. Quem não desistiu passou a processar uvas trazidas do Rio Grande do Sul. Hoje existem formas de cultivar a videira, mas a facilidade na importação da uva gaúcha ainda está na frente.



Por aqui, os maiores produtores – e mais visitados – são Colombo, Campo Largo, São José dos Pinhais e Piraquara. A procura é tanta que alguns municípios se organizaram em roteiros, sempre cheios de atrações e tentações, como o Caminho do Vinho, em São José dos Pinhais, e o Caminho Trentino, em Piraquara.