Curitiba: Destino Turístico Inteligente

Pela primeira vez o Brasil terá uma política pública para promoção de Destinos Turísticos Inteligentes (DTI). E Curitiba é um desses destinos.

Ao todo, duas capitais representando cada uma das cinco regiões do Brasil participarão do projeto-piloto: Rio Branco/AC e Palmas/TO (Norte); Recife/PE e Salvador/BA (Nordeste); Campo Grande/MS e Brasília/DF (Centro-Oeste); Florianópolis/SC e Curitiba/PR (Sul); e Rio de Janeiro/RJ (Sudeste).

Um Destino Turístico Inteligente vai além da implementação de meios digitais; é um destino inovador. É caracterizado por ofertar a seus visitantes produtos e experiências inovadoras e de qualidade, tendo como base a estruturação e a convergência de cinco pilares: governança; inovação; tecnologia; sustentabilidade; e acessibilidade.

As vantagens são muitas. Vão desde ampliação da competitividade dos destinos turísticos, a melhoria da eficiência dos processos de comercialização e de desenvolvimento sustentável local. Ganha os empreendedores de serviços turísticos, com ampliação da visitação, gerando economia e renda para a cidade, e o turista, que tem a sua experiência melhorada desde o momento de comprar a viagem.

DESTINOS TURÍSTICOS INTELIGENTES

Em janeiro deste ano, o Ministério do Turismo firmou parceria com o instituto argentino Ciudades Del Futuro (ICF) e com a Sociedade Mercantil Estatal para a Gestão da Inovação e as Tecnologias Turísticas (SEGITTUR), da Espanha, instituições pioneiras no segmento. O objetivo é promover e estimular o desenvolvimento de Destinos Turísticos Inteligentes no Brasil, transformando cidades turísticas em destinos que possibilitem experiências inovadoras e únicas aos visitantes.

A partir do projeto-piloto, que contará com 10 cidades – a 10ª será anunciada em breve –, será possível analisar os procedimentos atuais e a implementar estratégias, considerando as especificidades regionais.

A iniciativa envolve, além do desenvolvimento de uma metodologia adaptada à realidade brasileira para o desenvolvimento de Destinos Turísticos Inteligentes, a realização de um diagnóstico situacional dos destinos que farão parte do projeto e a capacitação de gestores federais e locais.

Está previsto, ainda, o acompanhamento da implementação das soluções relacionadas à eficiência na governança; a correta utilização de recursos públicos; o respeito às normas de acessibilidade e aos princípios de sustentabilidade e, também, a utilização da tecnologia a favor da valorização dos destinos e seus patrimônios, ao mesmo tempo que atenda às demandas dos turistas e visitantes.